segunda-feira, 22 de outubro de 2012

CUIDADOS PARA A PRÉ- CONCEPÇÃO

 Reflexões sobre a importância de se preparar para a gravidez

Naturalmente, muitos casais acham que chegou o momento de conceber. Conceber... depois da União natural é a coisa mais natural do mundo.
Ou pelo menos assim parece.

No entanto, a natureza tem os seus caprichos e  o que os casais projectam  e nem sempre  a natureza permite  executar.

Bem, como antes de uma viagem  cuida-se da preparação de itinerários, seguro saúde, alojamento, passeios, excursões e uma lista de curiosidades acompanhadas de ilusões, então devem ser os seres humanos a se prepararem para uma outra viagem não menos importante e também cheia de surpresas: a viagem para a maternidade. E mesmo assim, nem sempre se prepara correctamente.

Há muito poucos casais que se preocupam com a  sua saúde antes de embarcar no projecto da maternidade. Uma percentagem mínima de casais aconselha-se  com o especialistas e quando se sofre de uma doença auto-imune ou cronica conhecida que requer a devida atenção, impõe regras de profilaxia a ideia de opção deve estar presente.

Se tudo parece aparentemente bem, por que evitar? Por que trazer esse stress para  enfatizar a vida do nosso parceiro? Engravidar e já está! Por que pergunta ao médico ou complicar a existência?

A resposta a esta pergunta é lógico e natural:assumimos que estamos bem e que  não nos devemos  preocupar. E na maioria dos casos temos razão. Mas estamos realmente, completamente, totalmente informados do nosso verdadeiro Estado de saúde?

Certamente que não.
Ou não tivemos todos os elementos em conta. Não por falta de responsabilidade, mas de informação.

Devemos saber que uma elevada percentagem de gravidezes em pessoas aparentemente saudável  acaba em aborto. Fala-se em uma taxa de 25% nas sociedades ocidentais. Um em cada quatro mulheres vão abortar nas primeiras semanas. E com o aborto, sonhos e ilusões, não apenas seus, mas também do seu parceiro.

As causas mais imediatas do aborto que  resultam ser  inevitáveis, como anormalidades cromossômicas ou deficiência na produção de hormônios gonadotrofina coriônica e progesterona, que o corpo lúteo e, em seguida, a placenta, são responsáveis.

Por sua vez, há uma longa lista de causas que, sim podem ser evitável, e seu grau de incidência não é muito menor do que as causas cromossômicas ou hormonais e que têm a ver com o estado de saúde, muitas vezes desconhecido, do casal.

Doenças crónicas
Diabetes não controlada
Hipertensão...Quando ultimamente nós controlar a pressão
 Bactérias: você sabe que a saliva das crianças pode nos infectar com uma bactéria chamada CMV (Cito Megalo vírus) que pode ser fatal para o feto?
Doenças não  conhecidas do par
Um exemplo disto pode ser o hipotireoidismo ou hipertireoidismo. Nem todas as mulheres sabem se  sofrem de uma destas condições. No caso de hipotireoidismo, é uma condição que pode si só, pode  determinar que o feto não se  desenvolva, já que a glândula tiróide deverá será capaz de segregar tiroxina desde o final do primeiro trimestre. Se a mãe é hipotiroidea e não  é tratada com a medicação adequada antes de engravidar, tem  muito mais riscos de abortar.

Continuação...
Há muito para falar sobre este tópico

Por Mauricio Kruchik
Parte I


 
 

Sem comentários: